AS CRUZADAS[1]

As Cruzadas se constituíram num dos mais dramáticos movimentos da História. Sua finalidade principal foi a conquista de bens e dos direitos daqueles que detinham a propriedade dos meios de produção. Seus agentes executores eram, senão todos, quase todos tutelados da Igreja Católica Apostólica Romana. A programação, comando, chefia e controle inicial dessa gigantesca operação bélica coube ao sanguinário Papa Urbano II que, conforme veremos depois da cronologia que se segue, em 26 de novembro do ano de 1095, no Concílio de Clermont, incitou a massa de fiéis e determinou a gigantesca operação bélica. Esta custou ao mundo milhões de vidas humanas. Só na primeira cruzada os exércitos comandados pela Igreja ceifou a vida de nada menos do que 500 mil homens. Nem isto foi capaz de deter a sandice dos papas católicos.

Cavalgando o dorso do poder temporal e determinados a conquistar, bem como ansiosos para dominar o mundo, eles programaram a monstruosa operação e conspiraram contra a humanidade, matando indiscriminadamente todos que atravessassem à frente dos seus exércitos.

Os famigerados reis, príncipes, duques, condes e outros tantos nobres de sangue, totalmente enlouquecidos e iludidos com as promessas de conquista de terras e poder, marcharam contra o Oriente Médio. Por onde passavam, destruíam tudo que encontravam pelo caminho. Nesta primeira parte deste breve histórico encontra-se uma descrição cronológica das diversas etapas dessa vergonhosa operação, assim como das personalidades que direta ou indiretamente, antes ou durante, estiveram envolvidas neste lamentável episódio que ficou conhecido como as cruzadas. (Por Reivax)

Cronologia dos antecedentes daquele fatídico movimento

622. Maomé (570-632) é obrigado a sair de Meca, retirando-se para Medina, atual cidade do profeta, dando início a Hégira ou exílio deste notável profeta. Nessa mesma data, tem início a contagem do calendário muçulmano, cuja data inicial é 16 de Julho de 622.

630. Em 01 de janeiro desse mesmo ano, Maomé regressa a Meca, após ter derrotado as forças que se organizaram contra ele em Meca, bem como silenciado os seus aliados. Começa aí o triunfo da doutrina mulçumana na Arábia Saudita .

632. Maomé morre em Medina e Abu Bakr é escolhido por aclamação como seu sucessor e primeiro califa. Os chamados falsos profetas e as tribos rebeldes são derrotados;

634 a 644. Surge o califa Omar, primeiro a usar o título de Amir al-Muminin ou príncipe dos Fiéis. Fortalecido pela nova religião, o califa transforma o Estado nacional árabe num império teocrático internacional, estabelecendo uma administração militar. O chefe das tropas de ocupação foi transformado em governador civil, chefe religioso e juiz temporal;

634. Teodoro, irmão do imperador bizantino Heráclio foi derrotado em Ajnadayn, pelo exército árabe, entre Gaza e Jerusalém;

636. Mais uma derrota é capitalizada em favor dos mulçumanos. Desta vez, a vítima foi o exército bizantino, em Yarmuk, ao sul do Lago Tiberíades;

638. O califa Omar apodera-se de Jerusalém. Ainda nesse ano, a Palestina e a Síria são conquistadas;

639 a 641. A Mesopotâmia, atual Iraque, foi conquistada pelos exércitos religiosos árabes;

642. Até o indomável Egito entrou na dança e foi conquistado, sendo sua negociação conduzida pelo patriarca de Alexandria. As condições estabelecidas nessa negociação garantiram a segurança das pessoas e seus bens, bem como a liberdade de culto para os cristãos. Data dessa mesma época a Fundação do Cairo, al-Fustât;

649. As conquistas muçulmanas não pararam por aí e a próxima vítima foi o Chipre;

655. As atividades bélicas mulçumanas prosseguiram e a Conquista de Cabul foi inevitável;

687. Fortalecidos e com muito dinheiro, usurpado em função das atividades militares, os mulçumanos dão início à construção da mesquita de Omar, em Jerusalém;

711. A sede de conquista dos mulçumanos não para. Assim, nesse ano, a Península Ibérica foi invadida. Rodrigo, último rei visigodo foi derrotado e os espanhóis subjugados. De quebra, a região do Indo, atual Paquistão e Afeganistão, também foram vítimas dos mulçumanos, cuja sede de poder parecia não ter limites;

716 – 717. Nessa oportunidade, a ousadia dos mulçumanos já era tamanha que uma das maiores e mais potentes cidades daquela época, Constantinopla, foi sediada pelos exércitos islâmicos;

732. Com a Batalha de Poitiers, ocorreu o fim da expansão árabe na Europa;

747. Sublevação abássida no Kkorassan. Nota: Abássida é atributo relativo à dinastia dos abássidas ou indivíduo dessa dinastia, composta dos califas muçulmanos que se consideravam descendentes de Abbas, tio de Maomé, e que reinou em Bagdá de 750 a 1258;

750. Derrota do último califa Omíada de Damasco, na batalha do Grande Zab, na Pérsia revoltada pelos Chiitas;

750 – 1258. Abu al-Abba funda e dá suporte à Dinastia Abássida, sediada em Bagdadá, a nova cidade implantada às margens do rio Tigre;

755 – 1031. Criado o Emirado, estado ou região chefiada por um emir e, mais tarde Califado (929) ou conjunto de princípios seguidos por chefes políticos e religiosos, após a morte de Maomé. Nesse mesmo período foi criada a Omíada de Córdova, na Península Ibérica, cuja fundação é atribuída a Abd al-Rahman, fugido do massacre dos omíadas em Damasco;

800. Mercadores muçulmanos se estabeleceram em Cantão e fundaram uma fábrica de papel em Bagdá;

809. Ocorreu a morte do califa Haroun al-Rachid, conhecido pelas Mil e Uma Noites. Nesse período registrou-se o apogeu do império árabe;

825. A Ilha de Creta foi ocupada pelos muçulmanos, cujas atividades voltaram a entrar em ação;

827. O Mutazilismo, escola do Islã clássico, foi fortemente influenciado pelo racionalismo e proclamando doutrina oficial;

830 Por essa ocasião os árabes realizaram as primeiras peregrinações a Santiago de Compostela;

831. Os árabes insistem na conquista dos demais povos e Palermo, na Sicília, não escapa à sandice deles;

842. A conquista de Messina, na Sicília, deu-se por essa ocasião e a de Tarento, na Península Itálica, foi mais um feito dos Árabes;

842 – 902. As conquistas se intensificaram e a queda da Sicília foi mais uma das façanhas dos Árabes;

846. Nem um dos maiores e mais respeitados impérios da época, a histórica e poderosa Roma, escapou das incursões Mulçumanas;

857. Morre Muhâsibi, um dos primeiros e mais influentes membros do islamismo;

864. Surge a doutrina do «encerramento das portas do raciocínio individual» em matéria de interpretação da Lei;

868 – 883. Revolta dos escravos negros ou Zandj, no Baixo-Iraque;

869. Os árabes conquistaram a ilha de Malta;

874. Registra-se o nascimento do teólogo al-Ash'ari e deu-se a conciliação do racionalismo mu'tazilita com o tradicionalismo sunnita;

875. Comerciantes muçulmanos foram massacrados na China;

940 – 1258. O califado dos Abássidas fracassa e perde toda e qualquer importância política. Assim, surgem as revoltas chiitas. Devido à incompetência do califa, surgem várias dinastias locais, cujos príncipes tomam o título de califa;

960. Registrou-se a conversão dos Turcos Qarakhânidasao ao Islã;

961. Creta é reconquistada pelos bizantinos;

962. Registra-se a fundação da dinastia Ghaznévida, no Afeganistão, constituindo-se na primeira dinastia turca no mundo muçulmano, cujo predomínio estendeu-se até 1186, quando os Bizantinos retomaram Alepo;

969. Os Fatimidas, espécie de dinastia que surgiu ao Norte de África por volta de 910, apoderam-se do Egito e fundaram o novo Cairo (al-Aâhira). Nesse mesmo ano, os Bizantinos voltam a ocupar Antioquia;

993. Nasceu Ibn Al Hazm, poeta e teólogo andaluz que defendia a interpretação literal do Al Kuram, bem como da tradição islâmica.

996. Massacre de mercadores de Amalfi, porto no sul de Itália, no Cairo;

997. Registra-se a incursão muçulmana contra S. Tiago de Compostela;

1009. O califa fatimida do Cairo, al-Hakim, mandou destruir as igrejas de Jerusalém;

1017. Marco inicial do começo da pregação drusa;

1019. O califado de Bagdá proclamou um credo de inspiração hanbalita, uma das quatro escolas do Islã sunnita, a qual se caracterizou pela atenção dispensada ao respeito da tradição corânica e profética. Uma 2ª proclamação deu-se em 1042 e uma 3ª, em 1053;

1031. Ocorre o fim do Califado de Córdova. As possessões muçulmanas da Península Ibérica foram repartidas em principados ou tawa'if, conhecidos por Taifas;

1035. Peregrinação a Jerusalém de Roberto, o Diabo ou o Magnífico, duque da Normandia;

1036. Os Muçulmanos e os Bizantinos concordaram em reconstruir as igrejas cristãs de Jerusalém;

1040. Vitória dos Turcos Seljúcidas sobre os Ghaznévidas em Dandanaqan;

1043. Miguel Cerulário torna-se patriarca de Jerusalém;

1054. A 25 de Julho, ocorreu o Cisma entre Roma e Constantinopla. Miguel Cerulário, que fora excomungado pelo papa Leão IX, excomungou todos os latinos;

1055. Os Turcos seljúcidas conquistaram Bagdá;

1062. Os mulçumanos, já bastante odiados pelas suas agressividades bélicas, atraiam a rejeição de todos. Diante do fato, o papa Alexandre II aproveitou o momento para conceder perdão dos pecados a quem os combatesse;

1063. Início da cruzada de cavaleiros borgonheses à Península Ibérica. Em 1064, o exército cruzado conquista a cidade de Barbastro, após 4 meses de impiedoso cerco. Ainda no ano de 1064, o arcebispo Gunther de Maiença e os bispos Guilherme de Utrecht e Otto de Ratisbona organizaram uma peregrinação de 7.000 pessoas a Jerusalém;

1071. Em 19 de Agosto, os Bizantinos foram derrotados pelos Turcos Seljucidas, em Manzikert;

1080. Mercadores de Amalfi fundaram, perto do Santo Sepulcro, o hospital de São João de Jerusalém, para recolher e prestar socorro aos peregrinos pobres que eram agredidos e espoliados de todas as formas possíveis pelos árabes. Data dessa mesma ocasião a fundação da seita muçulmana dos Assassinos;

1081. Aleixo Comneno foi declarado o imperador do Oriente;

1082. Devido à ajuda prestada contra os Normandos, Veneza obteve o direito de comerciar em todo o Império Bizantino, sem pagar direitos alfandegários;

1084. Antioquia caiu nas mãos dos Turcos;

1085. Os Normandos dominaram a Sicília e Toledo foi conquistada por Afonso VI de Castela;

1086. Afonso VI de Castela foi vencido na batalha de Sagrajar, pelos berberes almorávidas, chamados à Península Ibérica pelos reis muçulmanos das Taifas, devido à conquista de Toledo;

1086 – 1090. Nesse período, intensificou-se a peregrinação à Terra Santa, sendo que entre os peregrinos consta o registro da presença do conde de Flandres, Roberto de Frison;

1087. Ocorreu uma cruzada francesa à Espanha, organizada por Urbano II, e dirigida por Raimundo de Saint-Gilles, conde de Toulouse e Eudes I, duque da Borgonha;

1090. Os Normandos Conquistaram Malta e os “Assassinos” apoderaram-se do castelo de Alamute, na Pérsia;

1092. Os “Assassinos” mataram o vizir Nizam al-Mulk.

AS CRUZADAS[2] – DRAMÁTICO E SINTÉTICO RELATO

Vejam a seguir alguns dos inacreditáveis e dramáticos relatos dum dos discursos que antecederam as cruzadas, o qual foi proferido em 26 de novembro do ano de 1095, no Concílio de Clermont, sendo atribuída a sua autoria ao Papa Urbano II. Nos bons tempos, Sua Santidade Urbano II, progrediu por terrenos incertos, auxiliado por cardeais e bispos. Nos bons tempos, sua santidade, Urbano II, progrediu por terrenos incertos, assessorado e auxiliado por cardeais e bispos que se não eram fanáticos criminosos, no melhor das hipóteses, eram omissos, corruptos e irresponsáveis. Vejamos mais alguns extratos do discurso proferido no Concílio de Nicéia pelo fanático e irresponsável Papa. Ali, naquela data fatídica, ele abençoou-se e louvou-se com o sinal da Cruz. Ergueu suas mãos em sinal de silêncio. A multidão em reverência calou-se. Então falou com doçura e eloquente persuasão.

“Ó Francos, de quantas maneiras Nosso Senhor os abençoou? Vejam quão férteis são suas terras. Quão verdadeira é sua fé. Quão indisputável é sua coragem. A vocês, abençoados homens de Deus, dirijo essas palavras. E que não sejam levadas levianamente, pois são expressas pela Santa Igreja, que, pelo sagrado pacto com Nosso Senhor, é Sua santíssima voz na terra. Vós que sois justos e bons, vós que brilhais em santa fé escutai. Que saibam de justa e grave causa que nos reúne hoje aqui, sob o mesmo teto, na piedade de Nosso Senhor. Relataremos fatos horríveis. Ouvimos sobre uma raça de homens saídos de presença profana e falta de fé. Turcos, Persas, Árabes, amaldiçoados, estranhos a nosso Deus, que devastam por fogo ou espada as muralhas de Constantinopla, o Braço de São Jorge. Até hoje, por misericórdia do Supremo, Constantinopla foi nossa pedra, nosso bastião de fé em território infiel. Agora essa sagrada cidade encontra-se desfigurada, ameaçada. Quantas igrejas esses inimigos de Deus poluíram e destruíram? Ouvimos de altares e relíquias sendo dessecrados por sujeira produzida por corpos Turcos. Ouvimos sobre verdadeiros crentes sendo circuncidados e o sangue desse ato sendo vertido em pias batismais. O que podemos dizer a vocês? Turcos transformam solo sagrado em estábulo e chiqueiro, expelem o conteúdo de seus fétidos e putrefatos corpos em vestimentas dos emissários da palavra de Nosso Senhor. Os descrentes forçam Cristãos a ajoelhar sobre essas roupas imundas, curvar as cabeças e esperar o golpe da espada. Essas vestes, que através da imundície e sangue são testemunhas de aberrações na falta da verdadeira fé, são exibidas junto com corpos dos mártires. O que mais devemos lhes dizer, ó fieis? Turcos abusam de mulheres Cristãs. Turcos abusam de crianças Cristãs. Pensem nos peregrinos da fé que cruzam o mar, obrigados a pagar passagem em todos os portões e igrejas de todas as cidades. Quão frequente esses irmãos no sangue do Cristo passam por humilhações e falsas acusações? Aqueles que creem em pobreza, como são recebidos nesses lugares de nenhuma fé? São vasculhados em busca de moedas escondidas. As calosidades em seus joelhos, causadas pelo ato de fé ao Nosso Senhor, são abertas por lâminas. Aos fiéis são dadas bebidas de natureza vomitória para que sejam vasculhadas suas emissões estomacais. Após isso são ainda obrigados a sorver excremento liquefeito de bodes e cabras de forma a esvaziar suas entranhas. Se nada for encontrado que satisfaça essas crias infernais, ó fieis, escutem. Turcos abrem com lâmina da espada as barrigas dos verdadeiros seguidores, em busca de peças de ouro ingeridas e assim escondidas. Espalham e retalham entranhas mostrando assim o que a natureza matéria secreta. Tudo a procura de riquezas ou por prazer insano. Turcos perfuram os umbigos dos fiéis, amarram suas tripas a estacas e afastam os Cristãos, prendendo-os com cordas a outro poste, de forma a que vejam suas próprias entranhas endurecendo ao sol, apodrecendo e sendo consumidas por corvos e vermes. Os Turcos perfuram irmãos na fé com setas, fazem dos mais velhos alvos móveis para seus malditos arcos. Queimam os braços e pernas dos mártires até o negro e soltam cães famintos para os devorar, ainda vivos. Ó Francos, o que dizer? O que mais deve ser dito? A quem, pois, deve ser dirigida a tarefa de vingança tão santa quanto a espada de São Miguel? A quem Nosso Senhor poderia confiar tal tarefa senão aos seus mais abençoados e fiéis filhos? Ó Francos, vocês não são habilidosos cavaleiros? Poderosos guerreiros na palavra de Deus? Próximos a São Miguel na habilidade de expurgar o mal pela espada? Dê um passo à frente! Não mais levantarão as espadas entre si, ceifando vidas e pecando contra a Palavra. Aproximem-se guerreiros abençoados. Os que dentre vocês roubaram tornem-se agora soldados, pois a causa é suprema. Aqueles que cultivam mágoas juntem-se aos seus causadores, pois a irmandade é essencial ao objetivo. Aproximem-se os que desejam vida eterna, aproximem-se os que desejam absolvição no sagrado. Saibam que Nosso Senhor espera seus filhos em lugar abençoado. Na palavra do Santíssimo seguirão e combaterão, não deixem que obstáculos os parem, creiam na Palavra e nada os deterá. Deixem todas as controvérsias para trás! Unam-se e acreditem! Não permitam que posses ou família os detenham. Lembrem-se das palavras de Nosso Salvador, “”Aquele que abandonar sua morada, família, riqueza, títulos, pai ou mãe pelo meu nome, receberá mil vezes mais e herdará a vida eterna””. Se os Macabeus dos tempos de outrora conquistaram glória pela sua luta de fé, da mesma forma a chance é ofertada a vocês. Resgatem a Cruz, o Sangue e a Tumba. Resgatem o Gólgota e santifiquem o local. No passado vocês não lutaram em perdição? Não levantaram aço contra iguais? Orgulho, avareza e ganância não foram suas diretivas? Por isso vocês merecem a danação, o fogo e a morte perpétua. Nosso Senhor em sua infinita sabedoria e bondade oferece aos seus bravos, porém desvirtuados filhos, a chance de redenção. A recompensa do sagrado martírio. Ó Francos,ouçam! Deixem a chama sagrada queimar em seus corações! Levem justiça em nome do Supremo! Francos! A Palestina é lugar de leite e mel fluindo, território precioso aos olhos de Deus. Um lugar a ser conquistado e mantido apenas pela fé. Pois chamamos por suas espadas! Lutem contra a amaldiçoada raça que avilta a terra sagrada, Jerusalém, fértil acima de todas outras. Glorifiquem suas peregrinações para o centro do mundo, consagrem-se em Sua paixão! Alcancem a redenção pela Sua morte! Glorificado pelo Seu túmulo! O caminho será longo, a fé no Onipotente tornar-lhe-á possível e frutífera. Não temam Francos! Não temam tortura, pois nela reside a glória do martírio! Não temam a morte, pois nela reside a vida eterna! Não temam dor, pois serão resignados! Os anjos apresentarão suas almas a Deus, o Santíssimo será glorificado pelos atos de seus filhos! Vejam a sua frente aquele que é voz de Nosso Senhor! Sigam Sua presença e palavras eternas! Marchem certos da expiação de seus pecados, na certeza da glória imortal. Deixem as hordas do Cristo Rei se atracar com o inimigo! Os anjos cantarão suas vitórias! Que os conhecedores Da palavra entrem em Jerusalém portando o estandarte de Nosso Senhor e salvador! Que o símbolo da fé seja mostrado em vermelho sobre o imaculado branco, pureza e sofrimento expressados! E que Sua palavra se faça ouvida como retumbante trovão, trazendo medo e luz para os infiéis! Que agora o exército do Deus único grite em glória sobre os Seus inimigos!.  “Louvado seja o Senhor meu Deus!.

Gritaram as centenas de cavaleiros Francos reunidos no campo de Clermont. E as Cruzadas tiveram início...

Acompanhem este outro interessante relato.

Segundo Foucher de Chartres (Cronista Cristão no tempo da primeira Cruzada), em 26 de novembro do ano de 1095, no Concílio de Clermont, Urbano II Proferiu o seu famoso discurso nos termos infracitados, dando início à primeira cruzada.

Veja, a seguir, o histórico discurso que circula na Internet.

Meus queridos irmãos, ungido pela necessidade, eu, Urbano, com a permissão de Deus o bispo chefe e prelado de todo o mundo, vim até esse lugar na qualidade de embaixador, trazendo uma mensagem divina a todos os servos de Deus.

Vim aqui com a esperança de os encontrar no serviço do Senhor, fiéis e zelosos, como é de se esperar. Porém, se há alguma deformidade ou fraqueza contrariando a lei divina, invocamos sua ajuda e faremos o mais que pudermos para erradicar isso. Porque o Senhor os tem posto como criados em sua família. Felizes sereis se encontrares fileiras a vosso ministério. Somos chamados pastores, esmeramos em atuar como pastores, porém, sedes bons pastores. Sempre levando o povo em suas mãos. Não durma, apenas guardes todo o tempo o rebanho que assim o tem chamado. Porque se por vossa negligência vem um lobo e arrebata uma só ovelha, então, não sereis dignos da recompensa que Deus havia reservado para vós. E depois de haverem sido flagelados impiedosamente por vossas faltas, sereis oprimidos com as penas do inferno, a residência da morte. Sabeis-vos que foram chamados no evangelho de sal da terra (Mateus 5:13), porém, se faltarem a vossos deveres, como, se perguntaram todos, se poderá salgar a terra? Oh, que tão grande é a necessidade de sal!!!

Em todo o caso, é necessário que vos se corrijam, dando o sal da sabedoria a todos aqueles ignorantes que estão entregues aos prazeres do mundo. Não vêem que o Senhor, quando quer dirigir-se a eles, os encontra putrefatos em meio aos seus pecados necessitados em se curar. Pois, se Deus encontra dentro deles vermes, a se saber, pecados, porque vossa negligência os deixou doentes. Os declarará com imprestáveis, merecedores unicamente de ser jogados no abismo onde se joga as coisas ruins. E já que vós, não podeis evitar ao Senhor estas graves perdas, seguramente, Ele os condenará e os afastará de sua doce presença. Pois aquele que administra o sal deve ser prudente, sábio, modesto, instruído, pacífico, observador, piedoso, justo, equilibrado e puro.

Porque como pode o ignorante ensinar aos outros? Como pode o licencioso ser modesto aos outros? Como pode o impuro ser puro aos outros? Como pode alguém que odeia a paz acalmar os ânimos dos outros? E como pode alguém que esta manchado em sua mãos com a vilania limpar as impurezas dos outros? E bem disse as Escrituras que se os cegos guiam os outros cegos, todos iram a sarjeta (Mateus 15:14). Primeiro corrijas a vós para que assim, livres de toda a culpa, poderem limpar aqueles que vivem abaixo de vossas jurisdições.

Se quiserem ser amigos de Deus, o façam de boa vontade para Ele e para seu lugar. Em particular, deveis deixar que todos os assuntos da igreja se guiem pela lei da igreja. E tens cuidado em que a simonia (Tráfico criminoso de objetos sagrados, venda ilícita de coisas santas ou espirituais) não aches raízes em vós, não sejam como aqueles que compram e como aqueles que vendem (Investiduras) eles serão golpeados pelos açoites do Senhor entre ruas estreitas e serão logo levados para o lugar da destruição e da confusão.

Mantendo a Igreja e o clero, em todos os seus agrados, completamente livres da influência do poder secular. Verifiquem que à parte da produção de terra que corresponde a Deus seja paga por todos; que esta não seja vendida e retida. Se alguém captura e retém um bispo, é permitido que o trate como um bandido. Se alguém sequestra e rouba um monge, clérigos, monjas, seus serventes, peregrinos, mercadores, permitam que os considerem a anátema (Excomunhão).

Deixai que os ladrões e os incendiários sejam excomungados junto com todos os seus cúmplices. Se um homem não é capaz de dar nunca uma parte de seus bens em donativo é castigado com as punições do inferno, como não vai ser castigado aquele que remove os bens dos outros? Por isso foi castigado o homem rico que fala o evangelho (Lucas 16:19) Não por ter removido os bens dos outros, senão por não haver empenhado corretamente os próprios. Vós sabeis e tem visto a grande desordem que estes crimes estão produzindo no mundo. És tão grande em algumas províncias, eu escutei, e tão débil é vossa administração de justiça, que dificilmente pode viajar de dia ou de noite sem ser atacado por ladrões, e sei que se estando em casa ou longe dela, sempre existe o perigo de ser despojado de seus bens ou por força ou por fraude. Por tanto, é necessário voltar a por em prática a trégua, como se conhece comumente, a qual foi instaurada fazem vários anos por nossos santos padres. Os exorto e exijo que cada qual se esforce para que se cumpra a trégua em suas respectivas dioceses. E se alguém for levado por sua arrogância a romper essa trégua, pela autoridade de Deus e com a aprovação dessa assembleia deve ser então declarado a anátema. Embora, oh filhos de Deus, vos sabeis, prometeram mais firmemente que nunca manter a paz entre vocês e manter os decretos da Igreja, ainda existe um importante trabalho que devem realizar.

Ungidos pela correção divina devem aplicar a força de vossa retidão a um assunto que interessa a Deus. Posto que vossos irmãos que vivem no Oriente, requerem urgentemente as vossas ajudas, e vós deveis esmerar para prestar-lhes a assistência que a eles vem sendo prometida faz tanto tempo. Aí que, como sabeis todos, os Turcos e os árabes, os tens atacado e estão conquistando vastos territórios da terra de România (Império Bizantino), tanto no oeste como na costa do Mediterrâneo e em Helesponto, que é chamado o braço de São Jorge. Estão ocupando cada vez mais e mais os territórios cristãos, e já venceram sete batalhas. Estão matando e capturando muitos, e destruindo as igrejas e devastando o império. Se vós, impuramente, permitirdes que isso continue acontecendo, os fieis de Deus seguiram sendo atacados, cada vez mais com dureza. Em vista disso, eu, e não bastante, Deus, os designa como herdeiros de Cristo para anunciar em todas as partes e para convencer as pessoas de todas as gamas, os infantes e cavaleiros, para socorrer prontamente aqueles cristãos e destruir a essa raça vil que ocupa as terras de nossos irmãos.

Digo isto para os presentes, mas também se aplica àqueles ausentes. Mais ainda, Cristo mesmo os ordena. Todos aqueles que morrerem pelo caminho, seja por mar ou por terra, em batalha contra os pagãos, serão absolvidos de todos seus pecados. Isso lhe é garantido por meio do poder com que Deus me investiu. Oh terrível desgraça se uma raça tão cruel e baixa, que adora demônios, conquistar a um povo que possui a fé de Deus onipotente e tem sido glorificado em nome de Cristo! Com quantas reprovações nos oprimiria o Senhor se não ajudarmos a aqueles, que como nós, professam a fé de Cristo! Façamos que aqueles que estão promovendo a guerra entre fieis marchem agora a combater contra os infiéis e conclua em vitória uma guerra que deveria ter se iniciado há muito tempo.

Que aqueles que por muito tempo tem sido foragidos, que agora sejam cavaleiros. Que aqueles que estão pelejando com seus irmãos e parentes, que agora lutem de maneira apropriada contra os bárbaros. Que aqueles que estão servindo de mercenários por pequena quantia, ganhem agora a recompensa eterna. Que aqueles que hoje se malograram em corpo tanto como em alma, se dispunham a lutar por uma honra em dobro. Vejam! Neste lado estarão os que lamentam e os pobres, e neste outro, os ricos; neste lado, os inimigos do Senhor, e em outro, seus amigos. Que aqueles que decidam ir não adiem a viajem senão que produzam em suas terras e reúnam dinheiro para os gastos; e que, uma vez concluído o inverno e chegada à primavera, se ponham em marcha com Deus como guia". Durante a proposta de alistamento, consta que Pedro, o Eremita, teria gritado Deus vult, o que todos repetiram em uma só voz: "Deus vult! Deus vult!" (Deus quer!). Os cristãos ficaram convencidos da justiça de sua causa e decidiram pela guerra. A partida foi então programada para 15 de agosto de 1096. Para distinguir o exército católico de qualquer outro movimento, o Papa determinou que os seus homens usassem uma cruz vermelha costurada a roupa. Diz Urbano II "...a conselho do espírito santo."

A Primeira Cruzada – 1196

Entre vários príncipes ilustres, o nome de Godofredo de Bouillon (1058 – 1100) foi escolhido para comandar o exército. Descendente de Carlos Magno, pelo lado materno. Irmão do conde de Boulogne, e senhor de Bouillon em Ardennes. Um homem que já tinha mostrado sua força e coragem até contra a própria igreja, quando foi o primeiro a escalar os muros de Roma combatendo contra o Papa Hidelbrando (S. Gregório VII), quando servia ao rei alemão Henrique IV. E foi Godofredo que antes, matara Rodolfo com sua lança, o rei rebelde, que a igreja apoiara. (1080). Movido por um profundo arrependimento, Godofredo queria agora ser mártir pela libertação do Santo Sepulcro. Os chefes da Igreja viram neste guerreiro, um aliado poderoso e fiel. Dizem:

"A prudência e a moderação temperavam seu valor. Sua piedade era sincera e cega."

Seus irmãos, Eustáquio, o mais velho, e Balduíno, o mais moço, o acompanhavam. Quando a noticia da formação oficial da 1ª cruzada se espalhou o povo começou seus preparativos. Camponeses, mulheres e crianças partiram em marcha e os velhos aproveitavam a oportunidade de verem o santo sepulcro sob a proteção de um formidável exército. Diziam eles aos guerreiros: "Vós sois valentes e fortes, combatereis; nós sofreremos como o Cristo e faremos a conquista do céu". Como conseqüência, a mais imediata das cruzadas, as terras e os castelos, as ferramentas de trabalho no campo e o gado, baixaram extraordinariamente de preço pelo excesso de ofertas. Em compensação, as armas e os cavalos subiram a preços fantásticos. Em vista da dificuldade que teriam para se manter uma formação numerosa, os príncipes acertaram de se encontrar nos arredores de Constantinopla. Até ai cada um mantinha como melhor pudesse a sua gente. Godofredo atravessou a Alemanha, que ele conhecia bem, quase em linha reta.

O Fabuloso exército contava com os Príncipes:

1.        Godofredo de Bouillon, Duque de Lorena que reuniu 80.000 homens de infantaria e 10.000 cavaleiros. Seu ataque resultou na conquista de Jerusalém. Foi proclamado rei de Jerusalém, mas preferiu ser denominado como o "Protetor do Santo Sepulcro", após a queda da cidade em 1099. Era visto como um grande cavaleiro e muito devotado ao Cristianismo. Fundou uma ordem chamada Prioré de Zion - Priorado do Sião;

2.        Boemundo da Sicília - Príncipe de Trento, governador do sul da Itália, que trouxe 20.000 infantes e 10.000 cavaleiros;

3.        Roberto - Duque de Flandres;

4.        Hugo, Duque de Vermandois, irmão mais moço do Rei de França;

5.        Roberto II, Duque da Normandia, filho de Guilherme, o conquistador, vendeu o reino e o ducado à seu irmão e partiu para a cruzada;

6.        Estevão, Conde de Chartres;

7.        Estevão, Conde de Blois, casado com Ade-la, Filha de Guilherme, o conquistador. Esse desertou na Primeira Cruzada;

8.        Raimundo de Saint Gilles, Conde de Toulouse;

9.        Raimundo, Duque de Marbona;

10.   Raimundo, Marques de Provença.

Na fronteira com a Hungria, os húngaros lembraram muito bem o que Pedro, o Eremita e seu povo fizeram e tentaram impedir a passagem de Godofredo. Ele bem que podia ter atravessado a força, porque seu exército era muito mais forte. Mas, sua virtude fez com que pedisse desculpas pelos excessos cometidos pelos seus irmãos. Pediu humildemente a passagem livre e mantimentos, ao preço corrente de mercado. Enquanto Godofredo e seu irmão iam entregar-se ao rei Carlos da Hungria como garantia. Godofredo conteve a ferocidade de seus cruzados em território húngaro, sob pena de morte. Atravessada a Bulgária, Godofredo foi pela Dalmácia e a Sclavonia.

Todavia, os cruzados enfrentaram o mesmo problema da Hungria em Constantinopla. Os papéis se inverteram e os cruzados eram agora, mais temíveis que os turcos. Alexis Comneno quis também lhe impedir a passagem. A presença de Boemundo de Tentro, que ele muito bem conhecia, o fez mudar de ideia. O mesmo aconteceu com Hugo, Duque de Vermondois que ficou prisioneiro de Alexis, como garantia de que seus soldados se comportassem na cidade. Mas Roberto da França, que aprendeu a lidar com situações difíceis com seu pai, Guilherme, o conquistador, obrigou-o a libertar o Duque. Boemundo indignado com as atitudes do imperador queria que Godofredo depusesse Aleixo Comneno. Godofredo não somente resistiu a fazer-lhe a vontade, como conseguiu que os cruzados prestassem homenagem ao imperador bizantino. Além de tudo, fez-lhe uma promessa de devolver-lhe todas as terras que perdera aos turcos. Depois dessa intrincada missão diplomática, a travessia marítima foi feita sem problemas.

Na primavera de 1097, os cruzados entraram na Ásia. Formavam um exército de 100.000 cavaleiros de elmo e cota (armadura/malha metálica com que se cobria o corpo), seguidos de 400.000 infantes, sem contar padres, monges, mulheres e crianças. A travessia do deserto foi mais difícil...

"... Os homens mais robustos deitavam-se na areia, cavavam a superfície ardente para encontrar mais abaixo o solo fresco e nele colar à boca ressequida. Os próprios animais não resistiram... Podia-se rir ou chorar, como se quiser, vendo que por falta de bestas de carga, carregavam as bagagens sobre carneiros, cabras, porcos e cães. Viu-se mais de um cavaleiro montar um boi a guisa de cavalo de batalha."

Tomaram Nicéia e ganharam uma batalha desesperada na Frígia (Batalha de Ascalon, ganha dos Muçulmanos). Quando os cruzados chegaram a Antioquia, e preparavam para sitiar a cidade, apenas dois dias depois, foram surpreendidos pelo exército de Kerboga, sultão de Mossul. Desesperados e com fome esgotaram rapidamente seus mantimentos e se viram obrigados a abaterem seus cavalos e outros animais, inclusive ratos e cães, e dizem, até a comer a carne dos turcos, que para eles eram apenas animais. Estavam destinados ao fracasso, quando Raimundo, o Conde de Toulouse recebeu um pobre padre provençal chamado Pedro Bartolomeu, que lhe disse que o apóstolo André lhe tinha aparecido em sonhos e lhe dissera que uma relíquia capaz de trazer a vitória aos cruzados - a lança que traspassara o flanco de Jesus crucificado - estava enterrada no solo de uma das igrejas da cidade de Petrus Raimundo seguiu o homem até a igreja que indicava e mandou escavar o solo. Doze homens escavaram o dia todo, enquanto milhares de cruzados esperavam no lado de fora. Perto do Crepúsculo, o próprio Pedro desceu à escavação e voltou trazendo na mão a lança sagrada.

Uma enorme ovação saudou sua reaparição. Quando os cruzados avançaram, precedidos da lança sagrada, mostraram-se irresistíveis. Comandava-os Boemundo. Graças ao seu incomparável talento militar e à fé fanática dos seus homens, as numerosas forças de Kerboga foram postas em debandada. No campo turco abandonado, encontraram víveres e bebidas em abundância, o que lhes garantiria a estadia prolongada ao sítio de Antioquia. Depois de oito meses de luta, tomaram a cidade que resistira desesperadamente. A vitória de Antioquia (1098) foi em todos os tempos celebrada como a mais admirável ação de todas as cruzadas, mas custou aos cruzados a fina flor de suas tropas. A devastação pela guerra, pela fome, pela peste, e as deserções, acabaram reduzindo o exército primitivo a 40.000 homens, apenas. Em junho de 1099, os cruzados chegaram em Jerusalém, em lágrimas beijavam o solo. Em uma primeira investida, as grossas muralhas e as torres da cidade, contiveram as tropas de Godofredo. Sendo obrigado a empregar um cerco. Os soldados sofriam com o calor e pegavam a água do rio Jordão. Neste meio tempo foram construídas máquinas de arremesso e torres móveis. Mas os sitiantes contavam com menos lanças que os sitiados. O cerco durou 30 dias. No dia 13 de julho, com as máquinas prontas, os cruzados tentaram mais uma investida. Depois de dois dias de batalha furiosa, no dia 15 de julho de 1099, uma sexta-feira santa, os cruzados tomaram Jerusalém.

"... Alguns jovens acenderam flechas e lançaram-nas abrasadas sobre os colchões que guarneciam os redutos que os Sarracenos tinham construído a frente da torre de madeira que os cruzados haviam erguido. Esses colchões estavam cheios de algodão. O fogo pôs em fuga os que defendiam essa obra fortificada. Então o duque e os que com ele se achavam reconstruíram imediatamente a sebe que recobria a parte anterior da torre de madeira, desde o cimo até o meio, e, tendo feito uma espécie de ponte, lançaram-se intrepidamente para penetrar em Jerusalém. Todos os outros subiram atrás deles. Como os nossos se achavam de posse da muralha e das torres, viram-se coisas admiráveis. Entre os Sarracenos, uns tinham a cabeça cortada, o que era para eles a sorte mais suave. Outros, atravessados por flechas, viam-se forçados a saltar do alto das torres. Outros ainda, após prolongados sofrimentos, eram entregues as chamas e consumidos por elas. Viam-se nas ruas e nas praças montes de cabeças, de mãos, de pés. Infantes e cavaleiros abriam caminho através dos cadáveres. Mas tudo isso era pouco. No templo e no pórtico de Salomão, nadava-se no sangue, até o joelho, dos cavaleiros e até as rédeas do cavalo. Justo e admirável o julgamento de Deus, que desejou recebesse aquele lugar o sangue dos que blasfemaram contra Ele, conspurcando por tanto tempo esse território".

Godofredo e seus cavaleiros entraram no Santo Sepulcro com a cabeça descoberta, pés descalços, vestidos de estamenha (tecido grosseiro de lã) e banhados em lágrimas. Os judeus foram queimados vivos em suas sinagogas. Todos os prisioneiros foram mortos incluindo, mulheres e crianças. E as ruas de Jerusalém tiveram que ser lavadas para limpar o sangue. O saque foi colocado em monte comum, benefício dos sobreviventes e recompensa. Os cruzados agora senhores de Jerusalém, escolheram para seu rei o homem que os conduziu bravamente. Mas Godofredo declarou que não lhe seria possível aceitar a coroa de rei, onde Cristo a tivera de espinhos aceitou o título de barão e defensor do Santo Sepulcro e assumiu a soberania de um novo reino "O Reino Latino de Jerusalém". Seguindo o modelo do ocidente, o novo reino foi dividido em feudos. Godofredo codificou leis e costumes feudais que deviam servir de legislação para o reino de Jerusalém com o nome de Assizas, pelo qual é conhecido. O patriarca da igreja grega fugiu imediatamente e as paróquias do novo reino aceitaram a liturgia latina e a supremacia do papa. O califa do Egito considerando perigosa a estadia dos cristãos em Jerusalém marchou contra Godofredo, mas foi vencido.

Godofredo de Bouillon morreu aos 42 anos, em 1100, de uma moléstia desconhecida. Tendo governado apenas um ano, e nem esse mesmo completo, deixou seu irmão Balduíno que o sucedeu. Houve quem atribuísse a sua morte a um veneno que lhe teria sido ministrado por um emir. A Primeira Cruzada custou à vida de 500 mil cristãos. Foucher de Chartes escrevia, após a tomada da Terra Santa."Nós nos tornamos orientais. O habitante de Reims ou de Chartres transformou-se em Sírio ou em habitantes de Antioquia. Já esquecemos os nossos lugares de nascimento. Um possui já neste país casas e servidores como se os tivesse herdado; outro casou-se, não com uma compatriota, mas com uma síria, uma Armênia ou mesmo uma sarracena convertida... Servimo-nos, alternadamente, das diversas línguas do país, e a confiança aproxima as raças mais afastadas. Realizam-se as palavras da Escritura:

·         O leão e o boi comerão na mesma manjedoura;

·         A Reação Muçulmana;

·         A Expansão Europeia no oriente começou ao norte.

A Segunda Cruzada – 1147

Edessa foi tomada em 1144 pelo atabegue Mossul. Promovida por São Bernardo (Vézalay, 1146) e apoiada pelo Papa Eugênio III, a segunda cruzada foi integrada pelo rei da França, Luis VII e o imperador da Alemanha Conrado III. Os dois exércitos dessa expedição desceram o Danúbio em1147 e alcançaram a Antioquia e Acre por mar em 1148. Após ter sitiado Damasco em 1148, a desorganização das expedições e os desentendimentos entre os chefes cruzados resultaram numa fragorosa derrota. Assim, eles retornaram ao Ocidente em 1149, sem haver tentado libertar Edessa. Os muçulmanos resolviam suas diferenças a seus modos e, do ponto deles, sob o signo do combate aos infiéis. Saladino retoma Jerusalém em 1187.

SALADINO

Saladino, nascido Salah-ed-Din Yusuf, o grande sultão do Egito e da Mesopotâmia, um dos maiores líderes muçulmanos na história dos Cruzados, cujo caráter cavalheiresco causava a admiração dos amigos e dos inimigos, Reunificou todos os povos árabes contra os Cruzados. Saladino era filho de um chefe curdo. Os curdos, que deram o nome da região montanhosa conhecida como Curdistão, eram um povo de origem iraniana, muito corajoso e apaixonado pela liberdade. Saladino não era um semita, mas indo-europeu. Em 1187 proclamou a guerra santa e invadiu a Palestina. O sangrento encontro com o rei de Jerusalém deu-se junto ao lago de Tiberíade. O exército cristão foi completamente derrotado e o rei feito prisioneiro. Depois da vitória de Tiberíade, Saladino apoderou-se de todas as praças forte que rodeavam Jerusalém e pôs, por fim, cerco à cidade. As grandes destruições causadas pelas máquinas de assédio tiraram a coragem dos defensores, que pediram um armistício. De início, Saladino recusou. "Eu quero conquistar Jerusalém como os cristãos o fizeram há noventa anos. Massacrarei todos os homens e escravizarei todas as mulheres. Amanhã conquistaremos a cidade”. Os cristãos responderam: "Se temos de renunciar toda a esperança de negociações, bater-nos-emos desesperadamente até o último homem, poremos fogo às casas e destruiremos os santuários. Os cinco mil prisioneiros muçulmanos que temos em nosso poder serão massacrados. Preferimos destruir todos os nossos bens a deixá-los para vós e mataremos os nossos filhos. Ninguém ficará vivo e perdereis todos os frutos da vossa vitória". Esta resposta orgulhosa obrigou Saladino a refletir e a reunir um conselho de guerra. Estes aconselharam-no a aceitar a capitulação de Jerusalém mediante um determinado resgate por habitante. Com estas condições, a cidade rendeu-se. Eis, pois, a cidade santa em poder dos infiéis. Entre os gritos de alegria dos muçulmanos e as lamentações dos cristãos, as igrejas foram transformadas em mesquitas. As cruzes foram arrastadas pela lama dos caminhos e os sinos despedaçados. Mas depois do pagamento do resgate, os cristãos foram autorizados a abandonar a cidade. Vários milhares de cristãos pobres que não tinham como pagar o resgate foram, apesar disso, postos em liberdade. Saladino mandou-lhe mesmo distribuir esmolas. Mal esses desgraçados tinham saído das fronteiras da Terra Santa, foram perto de Trípoli, na Síria, atacados e despojados pelos próprios correligionários. Depois da queda de Jerusalém, toda a Palestina se encontrava em poder de Saladino. O Grande Saladino morreu com 55 anos deixando 17 filhos.

A Terceira Cruzada – 1189

Com a notícia da tomada de Jerusalém, o Papa Gregório VIII pregou a terceira cruzada. Participaram dela Ricardo Coração de Leão, Rei da Inglaterra de, 1189 a 1199, que nasceu em Oxford em 1157, filho de Henrique II a quem sucedeu no trono. Foi "mau filho, mau irmão e mau rei". Originando-se seu cognome, coração de leão, de "suas numerosas aventuras e louca bravura", revelada em inúmeros torneios, adquirindo grande reputação. Ardente e ambicioso revoltou-se contra o pai, que ao morrer amaldiçoou Ricardo. Ricardo se juntou com os reis Frederico Barba Roxa, Imperador do Sacrossanto Império Romano-Germânico e Felipe Augusto da França, e partiram para a cruzada. Barba Roxa seguiu por terra, abateu os turcos na Ásia menor, e morreu afogado acidentalmente por haver-se banhado ao sair de copiosa refeição, na Cilícia, atravessando o Sélef (Anatólia) – hoje Goksu. Ricardo e Felipe Augusto chegaram ao Oriente por mar e ajudaram os Cristãos da Síria a tomar a cidade de São João d´Acre (1191). Entre os gritos de alegria que saudavam a tomada da cidade, Ricardo Coração de Leão, arrancou o estandarte do Duque Leopoldo da Áustria, que foi o primeiro a ocupar a praça, jogou-o a lama, e colocou no lugar o estandarte da Inglaterra. Este ato iria causar graves consequências para Ricardo no futuro, apesar disso, Ricardo não mostrou melhor relacionamento com os aliados franceses. Felipe Augusto voltou à França, com a maior parte de seu exército, deixando poucos homens sob o comando de Ricardo. Agora sozinho no comando, Ricardo Coração de Leão tinha tempo para maravilhar cristãos e muçulmanos com sua louca bravura. Sua primeira ação foi mandar matar 3000 prisioneiros muçulmanos dos quais Saladino não se apressava a pagar o resgate com urgência exigida. Em vez de marchar para Jerusalém, Ricardo deixou-se levar pelo astucioso sultão, assaltando uma série de praças fortes ou a fazendo emboscadas as caravanas. O tempo era aproveitado pelo sultão para preparar a defesa de Jerusalém. Ricardo fazia tudo para inspirar o temor aos muçulmanos, ao mesmo tempo em que tentava conquistar a amizade de seu adversário. Ricardo e Saladino enviavam presentes um ao outro. Quando Ricardo se lançou contra Jafa, a fim de libertar os cristãos que ali se encontravam sitiados, o seu cavalo foi abatido numa luta corpo a corpo, de modo que se viu forçado a combater a pé. Então, seu cavalheiresco adversário lhe enviou um cavalo descansado com um recado que dizia, que era mais conveniente que os reis se batam a cavalo. Ricardo pensou até mesmo em casar a irmã com o irmão de Saladino, Aladil, que prometera tornar-se cristão. Mas da Inglaterra chegavam notícias que o irmão de Ricardo, João Sem-Medo ou João Sem-Terra, havia usurpado o trono com a ajuda de Felipe Augusto. Antes de partir, Ricardo obteve um acordo que garantia aos cristãos por três anos, a posse da maior parte da costa palestina e lhes permitia irem em pequenos grupos não armados em peregrinação ao Santo Sepulcro. Ricardo Coração de Leão sobreviveu por muito tempo na memória dos muçulmanos. As mães turcas tinham o costume de ameaçar os filhos que não queriam dormir dizendo: "Ricardo vem aí." Isso foi o resultado que se conseguiu, junto com a libertação de S. João d´Acre. Não foi sem aventuras que Ricardo chegou à Inglaterra. Primeiro as tempestades puseram o seu navio à deriva, pelo que foi parar na costa setentrional do mar Adriático. Como, além de Felipe Augusto, outros inimigos o espreitavam, disfarçou-se de mercador e prosseguiu viagem por terra. Nos arredores de Viena foi reconhecido e caiu em poder do seu mortal inimigo, o duque Leopoldo, a quem tão gravemente ofendera na Palestina. Este o manteve prisioneiro durante dois anos, enquanto seus fiéis vassalos não pagavam o enorme resgate exigido pelo duque. Quando Ricardo foi posto em liberdade, Felipe Augusto escreveu para João Sem-Terra, "Acautelai-vos: soltaram o Diabo!" Assim que chegou ao seu reino, acusou o irmão de alta traição, mas impulsivo como sempre, em breve lhe perdoou "Não é ele acima de tudo, meu irmão?". Ricardo era novamente rei, e como tal, explorou o povo inglês, desta vez com razão, declarou guerra a Felipe Augusto. Desembarcou na Normandia, onde foi recebido pela multidão com aclamações. Seus inimigos fugiram, mas sem dinheiro tentou sitiar um castelo em Chalus, na França, ferido por uma flecha, morreu então com 42 anos. Apesar da sua crueldade e tirania, foi um dos reis mais conhecidos da Inglaterra.

A Quarta Cruzada – 1202

Preparada pelo papa Inocêncio III, conduzida por Bonifácio de Monferrat, a cruzada deveria ser para atacar o Egito e depois a Palestina. Mas Veneza exigiu 85.000 marcos de prata para transportar os cruzados. Foi proposto um acordo pelos venezianos, no qual os cruzados ajudariam a tomar a cidade de Zara (hoje, Zadar). Contra a ordem do Papa, Zara foi invadida e saqueada. Em seguida, os venezianos sugeriram um ataque a Constantinopla, pois não lhes interessava uma guerra contra os muçulmanos, com os quais comercializavam freqüentemente. Então, os cruzados decidiram atacar Constantinopla com uma frota de 480 navios. Constantinopla foi saqueada e parcialmente destruída. Preciosos manuscritos foram inutilizados ou perdidos, obras primas foram roubadas, mutiladas ou destruídas. Após a rapina, foi escolhido Balduíno de Flandres para chefiar o novo Império Latino de Constantinopla. Tornando o francês à língua oficial. Mas em 1261, com a ajuda de Gênova, conseguiram a restauração da monarquia bizantina. Veneza foi a grande beneficiada da quarta cruzada, reforçando suas posições comerciais no mediterrâneo. Assim, dominou o império Bizantino até 1261. Foi uma cruzada de cristãos contra cristãos.

A Quinta Cruzada – 1217

O fanatismo religioso levou a formação desta cruzada, na crença que só a pureza das crianças poderia libertar a Terra Santa. O movimento, considerado por alguns espontâneo, foi organizado e estimulado de forma sorrateira. Induzidas pelas autoridades e demais interessados, 31.000 crianças alemãs atravessaram os Alpes em direção a Gênova e 20.000 crianças francesas dirigiram-se a Marselha. Marcaram seu caminho com cadáveres dos mortos de fome e cansaço. Chegando ao mediterrâneo, as crianças alemãs dispersaram-se e muitas morreram, Nenhum navio quis levá-las a Palestina. Ficaram esperando o mar se abrir, como aconteceu na passagem de Moisés, segundo a escritura. O Papa mandou buscá-las. As crianças francesas em Marselha não tiveram a mesma sorte. Conseguiram dois proprietários de navios que se ofereceram para levá-las ao seu destino, sem despesa alguma. Dos sete navios que partiram, 2 naufragaram, tendo morrido todos destes navios. Os cinco outros navios foram para o Egito e a Tunísia, onde as crianças foram vendidas como escravas.

A Sexta Cruzada – 1228

Organizada por André II, Rei da Hungria e comandada por Frederico II, do Sacro Império Romano, alcançou a Palestina. Frederico II por ter sido excomungado, não recebeu nenhuma cooperação dos cristãos, mas os Sarracenos ficaram impressionados com o conhecimento que tinha o jovem imperador da língua, literatura, ciência e filosofia árabes. Frederico II e o sultão Al-Malik Al-Kamil, de Damasco, entenderam-se amistosamente e assinaram o Tratado de Jafa em 1229, mediante o qual o Islã restituía aos cristãos, S. João d´Acre, Jafa, Sidon, Nazaré, Belém e toda a Jerusalém, por dez anos. Alguns anos mais tarde, os muçulmanos dominaram a região e o acordo foi rompido.

A Sétima Cruzada – 1248

O santo rei da França, Luis IX, dirigiu seus esforços de cruzado ao Egito, partindo de Aigues Mortes em 1248. Tomaram Damieta em 1249, porém apesar de uma primeira investida, com sucesso, os turcos atacavam por muitas vezes, até que a fome e as doenças atacaram mais o exército de São Luis do que o inimigo. Por fim, conseguiram aprisioná-lo (Mansurá - 1250). Lá, o rei cativo foi tão bem tratado que recebeu os cuidados do médico particular do sultão. Dizem que a fé do rei era tamanha que alguns muçulmanos foram convertidos ao cristianismo. Libertado mediante a entrega de Damieta, o rei teve que deixar o Egito com os cruzados. Mesmo não conseguindo vitórias nesta cruzada, seu prestígio pessoal aumentou na França.

A Oitava Cruzada – 1270  

Tendo o Sultão Baybars I (Rukn ad-Din Baybars Bundukdari ibn Abdullah, líder do exército Mameluco de 1265 a 1277) se apoderado de Antioquia em 1268, Luis IX, atual São Luis, novamente organizou uma cruzada que, sob a influência de Carlos I de Anjou, se dirigiu para Túnis, a antiga Cartago, onde o cristianismo tinha, graças a Santo Agostinho, lançado profundas raízes e onde muitos mártires tinham dado a vida pela fé. São Luis esperava reconquistar esta região para o cristianismo e converter o sultão. Mas São Luis morreu no acampamento em Túnis. O sultão concordou em deixar os cruzados irem embora. A peste dizimou o que lhe restava de homens válidos. Os muçulmanos conquistaram a terra santa em 1271, anos depois da primeira cruzada. Os cavaleiros de São João d´Acre perderam a cidade para as forças de Salomão II, dali partiram para ilha de Malta, onde permaneceram até o fim do Século XVIII, tomando o nome de Cavaleiros de Malta. Graças às cruzadas, as artes, as línguas e as ciências dos Árabes e dos Bizantinos passaram a ser estudadas no Ocidente. Na agricultura, trouxeram o açafrão, o arroz, a cana e o damasco.

Na indústria, a seda, o algodão, a fabricação de álcool e açúcar. Veludos, damasquinos, musselines, tapetes, couros, laminas foram adotados com processos do Oriente. As tinturas e tecidos finos foram igualmente imitados. No comércio, cresceu o intercâmbio do Oriente com os portos franceses e italianos do mediterrâneo. Barcelona, Marselha e Aigues-Mortes, de um lado, Gênova, Amalfi, Pisa e Veneza do outro. Todos tiraram grande proveito do tráfego marítimo no mediterrâneo com a supremacia dos italianos, o que deu início à decadência da navegação árabe e bizantina. No plano econômico, as Cruzadas foram diretamente responsáveis pela reabertura do Mediterrâneo à navegação e ao comércio da Europa. Essa reabertura possibilitou o reatamento das relações entre o Ocidente e o Oriente, interrompidas pela expansão muçulmana. Contribuiu, assim, para acelerar o renascimento comercial da Europa no Ocidente. O fracasso das Cruzadas contribuiu indiretamente para a decadência do sistema feudal. O reaparecimento do comércio, intensificado pela reabertura do Mediterrâneo, propiciou o renascimento das cidades na Europa. O renascimento comercial e urbano do ocidente europeu, a decadência do feudalismo, o declínio do poder da nobreza e o surgimento da burguesia foram, direta ou indiretamente, conseqüências das Cruzadas. Nada disto impediu que a Terra Santa permanecesse sobre o domínio dos muçulmanos até 1918.

Fatos Notáveis

Diante dos desmandos e da sandice religiosa que antecederam a transformação da Maçonaria Operativa em simbólica, alguém tinha que reagir a esse estado caótico de coisas. Alguns dos próprios sacerdotes, contrários àquela vexaminosa e vergonhosa perseguição religiosa, aliaram-se aos cadetes (nobres de sangue que não que só assumiam o poder em caso do impedimento do primogênito) e deram início a uma silenciosa resistência passiva. Reuniões eram efetuadas nos mais diversos e reservados lugares, com o finco de se discutir os desmandos da Igreja. Como o poder era transferido por hereditariedade, aqueles que ousassem participar de uma reunião em público ou mesmo reservada, cujo fato chegasse ao conhecimento dos donos do poder, fatalmente seriam punidos com a pena capital. Isto porque, qualquer reunião fora ou dentro do espaço monárquico (todo o território sob o seu comando) era considerada conspiração contra o Rei e contra a Igreja. Por esse motivo, as oficinas dos pedreiros livres ou engenheiros e arquitetos daquela época (os maçons atuais), no mais das vezes, serviam de espaço para acobertar os descontentes da monarquia e da igreja. As oficinas dos pedreiros livres não eram objetos de suspeitas, porque todos os seus membros, em princípio, eram pessoas livres e de bons costumes. Seus membros tinham por dever iniciático de comportarem-se como pessoas puras, honestas e obedientes às determinações e decisões dos poderes constituídos.

Ser pedreiros livres era uma profissão quase nobre, já que a maioria dos seus membros era, também, os intelectuais, matemáticos, astrônomos, engenheiros, arquitetos e professores da época. Entre eles destacavam-se os sacerdotes mais brilhantes das monarquias, os grandes intelectuais daquele e de outros tempos idos. Os iniciados na arte de construir faziam parte de uma casta privilegiada, cujo prestígio era inabalável. Motivo pelo qual, num sistema de governo no qual quase todos senão todos eram escravos, os pedreiros podiam ir vir a qualquer outro país sem a necessidade de maiores delongas. Além disto, eles eram dispensados dos impostos. Pois, quase sempre eram requisitados para construírem em outros países, devido a alta capacidade e habilidade profissional, não lhes sendo exigidos o pagamento de tributos por nenhum dos poderes, o que era, de certa forma, mais que justo. Daí vem o atributo de pedreiros livres, já que podiam ir e vir livremente e eram dispensados dos tributos. Como conseqüência das reuniões que se realizavam nas dependências das oficinas dos pedreiros livres, sem maiores censuras, os nobres, o clero e os próprios pedreiros livres se conscientizaram de que era necessária a adoção de um novo posicionamento face às pressões dos poderes constituídos. Selou-se, então, a resistência passiva que deu início à reação contra a Igreja e o Poder Monárquico. O resultado foi a queda da monarquia imperialista. A seguir, vejamos a cronologia dos antecedentes que deram origem a transição da Maçonaria Operativa para a Simbólica, cujo maior estímulo foram as matanças religiosas, as Cruzadas e seus sucedâneos. by Reivax.

1095 Aleixo I Comneno, imperador bizantino, envia uma embaixada ao papa Urbano II, para lhe pedir ajuda. Ainda na primavera, o papa Urbano II inicia a sua viagem a França. Em 18 de Novembro, deu-se a abertura do Concílio de Clermont. A 26 de Novembro, Urbano II lança o seu apelo à Cruzada;

1096 Abril, parte a Cruzada popular dirigida por Pedro, o Eremita, e Gautier Sans Avoir.  Massacres de judeus na Renânia. A 6 de Julho, realiza-se o Concílio de Nimes, quando Urbano II confia a Raimundo de Saint-Gilles o comando de uma das expedições à Terra Santa. A 01 de Agosto, a Cruzada popular chega a Constantinopla. No verão, deu-se a partida da Cruzada dos barões (Godofredo de Bulhão; Raimundo IV conde de Toulouse; Boemundo de Tarento; Estêvão conde de Blois; Tancredo de Hauteville e Roberto II, Conde de Flandres). O imperador alemão, Henrique IV, e o rei de França, Filipe I, estando excomungados, não puderam dirigir a Cruzada. Em 21 de Outubro, as tropas turcas e búlgaras do sultão de Niceia, Kilij Arslan, aniquilaram a Cruzada popular na Anatólia. Pedro, o Eremita escapa ao massacre e foge para Constantinopla. Em 23 de Dezembro, Godofredo de Bulhão chega em Constantinopla. O imperador de Bizâncio exige, e obtém, após muitas recusas, a promessa de restituição das terras e das cidades retomadas aos muçulmanos, e a aceitação da sua soberania sobre as novas conquistas;

1097 Em fim de Abril, o exército dos barões abandona Constantinopla, passando para a Ásia Menor. Em maio, Tiro cai nas mãos dos Fatimidas do Egito. Em junho, ocorre a tomada de Nicéia pelos cruzados, restituída a Bizâncio. A 1 de Julho, registrou-se a vitória franca contra o sultão turco de Iconium (Konya), em Dorileia. Em 13 de setembro, os cruzados dividem o exército em duas forças, em Heracléia. Ainda em 20 de outubro, os cruzados atingem a Antioquia, e começa o cerco. A 15 de Novembro, Balduíno de Bolonha abandona o campo dos cruzados e toma a direção de Edessa;

1098 Em fevereiro, os Bizantinos abandonam o cerco de Antioquia. Balduíno chega a Edessa. Em março, Balduíno de Bolonha proclama-se príncipe de Edessa, após a morte de Thoros, príncipe armênio, que lhe tinha pedido ajuda e o tinha adotado. Funda assim o primeiro Estado Latino do Oriente. Em 3 de Junho, deu-se a tomada de Antioquia pelos Cruzados. Boemundo I de Tarento, chefe dos normandos da Itália meridional, recusa devolvê-la aos bizantinos e proclama-se príncipe de Antioquia. A 4 de Junho, os cruzados são cercados em Antioquia por um exército de socorro, comandado por Kerbogha, enviado pelo Sultanato seljúcida da Pérsia. Em 14 de Junho, Pedro Bartolomeu descobre a Santa Lança debaixo das lajes de uma igreja de Antioquia.  Em 28 de Junho, os cruzados de Antioquia derrotam as forças sitiantes muçulmanas. A 26 de Agosto, os Fatimidas ocupam Jerusalém. Em 12 de dezembro, os cruzados apoderam-se de Maarat An Noman, na Siria. A população é massacrada e a cidade destruída;

1099 Em 13 de Janeiro, os Francos retomam a sua marcha para Jerusalém. A 2 de Fevereiro, o exército passa por Qal'at-al-Hosn, o futuro Krak dos Cavaleiros. Em 7 de Junho, o exército franco chega a Jerusalém. Em 13 de Junho deu-se o primeiro assalto à cidade, sem qualquer preparação prévia, o que culminou em uma imperdoável falha. A 10 de Julho, ocorreu o assalto a Jerusalém. A muralha circundante foi atravessada. Em 15 de Julho, firmou-se a conquista de Jerusalém pelos cruzados, seguindo-se o massacre da população muçulmana e judia. Em, 22 de Julho, Godofredo de Bulhão foi eleito rei de Jerusalém pelos barões, aceitando apenas o título de defensor do Santo Sepulcro. Em 01 de Agosto, Arnoul Malecorne, patriarca de Jerusalém, foi substituído. A 12 de Agosto, os Francos derrotam os Egípcios em Ascalon, na costa mediterrânica, a norte de Gaza;

1100 Deu-se o acordo comercial entre Veneza e o Reino Franco de Jerusalém. Ainda nesse ano, em 18 de Julho, ocorreu a morte de Godofredo de Bulhão. Balduíno de Bolonha, irmão de Godofredo, príncipe de Edessa, é coroado primeiro rei de Jerusalém em Belém, no dia 25 de Dezembro;

1100 – 1101 Tivemos as cruzadas de socorro. A primeira foi a Cruzada lombarda, dirigida pelo arcebispo de Milão, Anselmo du Buis, Raimundo de Saint-Gilles, Estêvão-Henrique, conde de Blois, Estêvão, conde da Borgonha e o primeiro oficial do Santo Sepulcro, Conrado. A segunda, foi a Cruzadas de Nevers e a terceira foi a Cruzada da Aquitânia. Nenhuma delas conseguiram atravessar a Ásia Menor, sendo sucessivamente vencidas por uma coligação dos diferentes potentados turcos da Anatólia;

1101 Em março, Tancredo de Hauteville, um dos chefes da primeira Cruzada, abandona Jerusalém, regressando ao Ocidente por Antioquia. Em 17 de maio desse mesmo ano, os francos tomam Cesareia;

1102 Raimundo de Saint-Gilles toma Tortosa e registra-se a vitória de Balduíno em Ramla;

1103 Deu-se o início do cerco de Trípoli pelos Francos;

1104 Em 7 de maio, ocorreu a derrota dos Francos em Harran: Balduíno du Bourg foi feito prisioneiro e deu-se o detimento do avanço da Cruzada na Mesopotâmia, que se dirigia para Mossoul, no rio Tigre. Em 26 de maio, os cruzados tomam Acre com a ajuda de uma esquadra genovesa;

1105 Em 28 de fevereiro, Raimundo de Saint-Gilles morre em Mont-Pèlerin, durante o cerco de Trípoli, sendo sucedido por Bertrand de Saint-Gilles;

1105 – 1113 Os “Assassinos” redobram suas atividades;

1108 Conflito entre Tancredo e Balduíno du Bourg a propósito da restituição de Antioquia a este último;

1109 Em julho, Trípoli cai na mão dos Francos. O conde Bertrand conquista finalmente a cidade de que é titular;

1110 Conquista do Castelo Branco (Safita) e do Krak dos Cavaleiros.

1111 Mawdud, emir ortoqida de Mossul, ataca os Francos, e massacra a população de Edessa quando esta se dirigia para a margem ocidental do rio Eufrates;

1113 Publicada a Bula do papa Pascoal II reconhecendo oficialmente a ordem do Hospital de São João de Jerusalém;

1115 Conquista pelos francos do castelo de Shawbak (Montréal), a sul do Mar Morto;

1118 Morte do imperador Aleixo Comneno; a sua filha Ana começa a redação da Alexíada. Em abril, ocorreu a morte de Balduíno I; sucede-lhe Balduíno du Bourg;

1119 Batalha de Ager Sanguinis (do campo de sangue). O emir el Ghazi, de Diyarbakir aniquila o exército franco de Antioquia, pertp de Atareb;

1119 – 1120 Nove cavaleiros ocidentais fundam, em Jerusalém, a Milícia dos Pobres Cavaleiros de Cristo, que mais tarde se constituiu na Ordem dos Cavaleiros Templários. Para alguns estudiosos essa fundação ocorreu em 1118 e para outros, ela teria surgido, de fato, em 1114;

1123 Em 29 de maio, os Egípcios foram derrotados em Ibelin pelo primeiro oficial do rei, Eustáquio Garnier, regente do reino durante o cativeiro de Balduíno II;

1124 Em 7 de Julho, ocorreu a tomada de Tiro pelos cruzados;

1129 Em Janeiro deu-se o Concílio de Troyes: a Ordem do Templo (os Cavaleiros Templários) foi oficialmente reconhecida pelo papa Honório III. Em 18 de junho, Zinki instalou-se em Alepo e fez apelo à Jihad contra os Francos;

1131 Em 14 de setembro morreu Balduíno II; Foulques V, de Anjou, rei de Jerusalém;

1135 O Hospital de São João de Jerusalém transformou-se em ordem militar;

1142 O Krak dos Cavaleiros foi cedido aos Hospitalários de São João;

1143 Em 25 de Dezembro, Zinki, atabaque de Alepo e de Mossul, toma Edessa.

* * * * *


[1] Memo, http://www.excelsocon.org/old/literaturas/sintese_historica/historia_geral/as_cruzadas.htm, 2006

[2] Extraído da “Gesta Francorum” adaptado e traduzido por Cato